Fale com a Dra. Mônica

Mau hálito: O que é e qual o tratamento

O mau hálito sempre foi e, ainda, é um obstáculo na hora de manter um relacionamento com as pessoas. Esse problema, que pode ser tratado, influencia o indivíduo de tal forma que o mesmo pode buscar o isolamento. 

A seguir vamos falar sobre a halitose e o seu tratamento. 

“A halitose não é considerada uma doença em si, mas uma alteração do odor oral, indicando um desequilíbrio local ou sistêmico que precisa ser diagnosticado e tratado” ( Uliana et al., 2002). 

De acordo com a Sociedade Internacional para Pesquisa do Mau Odor Bucal, classificou-se a halitose em três categorias: genuína, pseudo-halitose e halitofobia. 

Halitose genuína

É quando a pessoa tem o mau odor bucal acima do aceito socialmente. Este nível possui dois grupos: halitose fisiológica e a patológica. 

  1. Halitose fisiológica: é o mau odor causado por processo de putrefação na cavidade bucal, não sendo associado por doença ou outra patologia;
  2. Halitose patológica: é dividida em bucal e extrabucal;
  • Halitose patológica bucal: “é causada por doenças, condições patológicas ou más funções dos tecidos orais. As causas mais frequentes são: má higiene bucal, saburra lingual ( modificada por alterações patológicas), cárie dentária, doença periodontal, estomatite ( com ulceração ), GUNA ( gengivite ulcerativa necrosante aguda), ferida cirúrgica, restos radiculares, pericoronarite ( inflamação que afeta o tecido mole que recobre a coroa de um dente), xerostomia (secura excessiva da boca) e carcinoma” ( Bussadori, Sandra Kalil, 2012 );

  • Halitose patológica extrabucal: “pode ser proveniente de — vias respiratórias, trato digestivo, alterações hepáticas, alterações renais, regimes alimentares, desidratação, estresse, menstruação, diabetes, trimetilaminúria ( síndrome de odor de peixe), de pele, mucosas, medicamentos e hábitos ( fumo, drogas, álcool)” — ( Bussadori, Sandra Kalil, 2012 ). 

Pseudo-halitose

É quando a pessoa acha que está com mau hálito, mesmo estando sem. 

Halitofobia 

Nesse caso, não há evidência da halitose estar presente. Entretanto, após o tratamento, o paciente persiste acreditando ter mau hálito. 

Ainda pode ser considerada como um distúrbio dismórfico do corpo, ( relacionado com o sistema nervoso central, mas também tem influência cultural, onde a aparência física é  muito valorizada). 

Outras ocorrências psicológicas são observadas como — escovação dentária compulsiva e abandono de atividades sociais. 

Tratamento da halitose 

“A halitose tem caráter multifatorial, portanto, requer avaliações e tratamentos multidisciplinares que envolvam Odontologia, Medicina, Psicologia e Nutrição. Em todos os casos, o acompanhamento profissional odontológico é imprescindível” ( Bussadori, Sandra Kalil, 2012 ).

É preciso esclarecer que o tratamento da halitose que oferecemos tem base científica, uma das opções é a terapia fotodinâmica ( reação fotoquímica associada a uma substância fotossensibilizante, uma fonte de luz e oxigênio). Também vale ressaltar, a importância da cooperação em consultas e no tratamento indicado para obter um bom resultado. 

A prevenção é o melhor remédio, por isso, fazer uma avaliação com seu dentista a cada seis meses é importante, assim o tratamento pode ser realizado logo no início. 

Fico com alguma dúvida? Deixe o seu comentário abaixo e compartilhe este conteúdo na rede social. Desta forma você pode estar ajudando, mesmo sem saber, pessoas que sofrem desse mal. 

Resp. Tec. Dra. Mônica Savariz | CRO SC 4758
Unidade Pedra Branca (48)3283-0354 | WhatsApp: (48)99164-7898
Acesse o Whatsapp neste link https://bit.ly/2Ly9SAR
Unidade São Lucas (48) 3242-9420 |  (48) 3033-5101 | WhatsApp: (48) 99136-7399 | (48) 99146-4763
 

 

 

 

Voltar

Comentários

Indicações da Dra. Mônica

Essekabe - Desenvolvimento Profissional Odonto Clínica Mônica Digital Face